Segunda-feira, 1 de Janeiro de 2018

Um ano depois

Vai ser, então, um bom mandato? Acho que sim, disse eu, e por o ter dito expus-me à irrisão geral como o trumpista que não sou, condição que me garante comentários mordazes e indirectas maldosas de certos e dilectos amigos quando o presidente se alivia, no seu inglês de brat filho de empreiteiro, das provocações tuíteiras que julga, se calhar com razão, lhe acrescentam à popularidade.

 

Passou já mais de um ano. E concedo que a economia animada, a diminuição do desemprego, e o clima geral de euforia, não se devam inteiramente a Trump. A economia tem ciclos e quando chega a maré das subidas só mesmo um governo esquerdista é que consegue abrandar a bonanza, primeiro, e criar as condições para a depressão ser pior, depois.

 

Mantenho portanto o meu prognóstico. E até mesmo na frente externa, aquela onde moram todos os perigos, Trump não tem do que se envergonhar. É como se diz aqui:

 

Massive deregulation; economic growth picking up; standing up to Russia, Iran, China and North Korea; destroying ISIS; remaking the federal courts; recognizing Jerusalem; and now, the greatest tax reform in a generation – all while the Mueller investigation crumbles, and his opponents are tied up in knots over his tweets. The winning is under way.

 

Nós portugueses, ou pelo menos aquela parte de nós que esparrama as suas opiniões nos jornais e nas televisões, achamos que um bom líder político deve ter as qualidades de seriedade e isenção que apreciamos num santo, como Eanes (de pau um tanto carunchoso, na verdade: usou a presidência para fazer um partido); que deve ser culto, amante declarado das letras e das artes, como Soares ou Marcelo (se bem que, na realidade, Soares fosse praticamente analfabeto e de Marcelo se possa razoavelmente supor que, dos livros, raramente passou da badana); que deve ser dialogante, como Guterres; que deve entender muito dos arcanos da economia, como Cavaco; que deve ser muito “solidário”, como Costa; e, mais recentemente, que deve ser muito lá de casa e amigo do peito – outra vez Marcelo.

 

Achamos mal. E já achamos mal há décadas. É por não percebermos que um líder precisa apenas de ter duas ou três ideias acertadas, podendo ser um imbecil em tudo o mais, e que essas ideias não podem ser de esquerda, que somos uma pequena região da Europa (ela própria um império decadente), vivendo de esmolas, de uma empresa emprestada por alemães, de um sector industrial sufocado por impostos e dirigismos estatais, e de uma quantidade crescente de empregados de mesa e estalajadeiros.

Tags:
publicado por José Meireles Graça às 22:34
link do post | comentar

Pesquisar neste blog

 

Autores

Posts mais comentados

Últimos comentários

Eu é que agradeço a chamada de atenção pertinente....
Obrigado pela a atenção dispensada ao meu comentár...
Sou um visitante diário do vosso blog,mas há quase...
Ai que saudades do saudoso Almeida Santos, mas ent...
Eu percebi aonde queria chegar, mas não me parece ...

Arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Links

Tags

25 de abril

5dias

ambiente

angola

antónio costa

arquitectura

austeridade

banca

banco de portugal

banif

be

bes

bloco de esquerda

blogs

brexit

carlos costa

cartão de cidadão

causas

cavaco silva

censura

cgd

comentadores

cortes

crescimento

crise

cultura

daniel oliveira

deficit

desemprego

desigualdade

dívida

donald trump

educação

eleições autárquicas

emigração

ensino

esquerda

estado social

ética

euro

europa

férias

fernando leal da costa

fernando ulrich

fiscalidade

francisco louçã

futebol

gnr

grécia

greve

impostos

irs

itália

jorge sampaio

jornalismo

josé sócrates

justiça

lisboa

manifestação

marcelo

marcelo rebelo de sousa

mariana mortágua

mário centeno

mário nogueira

mário soares

mba

obama

oe 2017

orçamento

pacheco pereira

partido socialista

passos coelho

paulo portas

pcp

pedro passos coelho

portugal

ps

psd

público

quadratura do círculo

raquel varela

renzi

rtp

rui rio

salário mínimo

sampaio da nóvoa

sns

socialismo

socialista

sócrates

syriza

tabaco

tap

tribunal constitucional

trump

ue

união europeia

vasco pulido valente

venezuela

vítor gaspar

todas as tags

Gremlin Literário no facebook

blogs SAPO

subscrever feeds